Archive for the ‘Uncategorized’ Category

Marisa Dwir, Feitiço Mineiro, 13/jun

outubro 5, 2009

Atrasadíssimo… mas enfim, antes tarde que nunca… rs
Marisa fez uma linda noite de fados no Feitiço Mineiro!
Para ver mais, clique na foto! 😉

Pra quem quiser conhecer um pouco mais do trabalho da Marisa, segue seu release:
Formada em Estudos Sociais pelo CEUB, com especialização em História, e em Orientação Educacional pela Universidade de Brasília – UNB, onde também estudou Artes Cênicas e Técnica Vocal.
Cursou ainda, pela Secretaria de Cultura de Brasília: Cultura Brasileira e Produção Cultural, A Linguagem do Cinema, Análise de Filmes, Roteiro para Cinema, Música e Canto. Atualmente, continua seus estudos na Escola de Música de Brasília – EMB.
Versa nos estilos MPB, Pop, bossa, samba, canções e fados, acompanhando-se ao violão e por músicos como Nelson Latif, Jorge Macarrão, Fabiano Borges, Cláudio Vinícius, Marcílio Homem entre outros.
Entre os anos de 1994 e 2001 residiu na Europa (França e Portugal) onde trabalhou como cantora, compositora, produtora cultural e artística, com música, teatro, exposições, congressos, workshops, eventos multimídia.
Compôs trilha sonora para o Instituto de Comunicação de Portugal – ICP, no ano de 1996.
Gravou o CD “Marisa Dwir – Saudação” composto de 12 faixas, sendo 9 delas de sua autoria, lançado em Lisboa no ano de 1997; e participou do CD “Eclético” do músico Madeira (sobrinho de Luis Gonzaga), também gravado e lançado em Lisboa.
De volta ao Brasil, realizou a trilha sonora do documentário “Quilombo Quilombola”, com direção de Franca Vilarinho.
Na continuidade do seu trabalho, prepara novo CD e se apresenta por todo o país em congressos, convenções, salas culturais, hotéis, shoppings, bares, restaurantes e eventos particulares.
É sócia fundadora da ASSOM, Associação dos Músicos do DF e Entorno.

Anúncios

Dança do Ventre, Centro Cultural Brasília, 02/ago

agosto 15, 2009

Essa foi a vez do grupo folclórico de dança do ventre se apresentar.
Pelo que entendi, essa foi a primeira apresentação oficial do grupo folclórico profissional de dança do ventre, formado no Instituto Ninah Medrei. Eles estão disponíveis para serem contratados para eventos, festas etc. É só entrar em contato com eles. Site: http://www.ninahmedrei.com.br

Para ver como foi o show, clique nas fotos!

Super Stereo Surf, Lançamento CD no Balaio Café, 15/ago

agosto 15, 2009

Esse show tá prometendo!
Tá todo mundo comentando!!
http://www.abril.com.br/diversao/lancamentos-cd-ana-carolina-pitty-super-stereo-surf/
http://www.underfloripa.com.br/site/musica1.asp?id=209
http://www.sambapunk.com.br/?s=super+stereo+surf

Dia? 15/08
Hora? 17:30 em ponto
Onde? Balaio Café, 201 norte.
Quanto? De grátis!

Depois não vai dizer que eu não dei a dica!!! 😉

SSS-LançamentoPoster

Helena Pinheiro, Projeto Bibliomúsica, 27/jul

julho 25, 2009

Convite Helena Pinheiro

O PROJETO BIBLIOMÚSICA da Biblioteca Demonstrativa de Brasília (W/3-Sul, EQ 506/7) tem o prazer de convidá-lo, seus familiares e amigos para o espetáculo: “O SAMBA QUE EU MEREÇO” com a cantora HELENA PINHEIRO (voz e cavaquinho), que será acompanhada pelos músicos LUCAS DE CAMPOS (violão de 7 cordas e violão de 6 cordas ) e BRENO ALVES (percussão).
O espetáculo será na próxima segunda-feira, 27 de julho, às 19H30, com ENTRADA FRANCA.

Na ocasião, a Biblioteca presta homenagem ao instrumentista FERNANDO CÈSAR, integrante do grupo Dois de Ouro e diretor da Escola de Choro Raphael Rabelo.

O show «O SAMBA QUE EU MEREÇO» será dividido em duas partes. A primeira, denominada «Eu canto samba» vai abordar o sentimento dos sambistas em relação ao samba e o prazer de cantar esse estilo musical essencialmente brasileiro; e a segunda, denominada «o poder da criação» apresentará a visão dos compositores a respeito do ofício de fazer samba, do processo criativo em si e das características do gênero musical.

Do repertório constarão composições de Paulinho da Viola, Candeia, Nelson Sargento, Zé Keti, Noel Rosa e Vadico entre outros.

Lucina, Feitiço Mineiro, 25/jul

julho 15, 2009

Dia 06/junho fui a Pirenópolis e escutei a Lucina, se apresentando num café. Muitíssimo simpática e ótimo astral! Sem falar de suas lindas canções.
IMG_2022

Dia 25 ela estará no Feitiço Mineiro. Então, fica aí a dica e o release dela! 😉

Lucina no Feitiço Mineiro
Show com a cantora e compositora Lucina
Dia 25/07/09 às 22H30
Participação: Jorge Macarrão

LUCINA, compositora, cantora e instrumentista faz uma MPB moderna, sofisticada na harmonização e na interpretação.

Técnica vocal apurada, precisão, afinação perfeita, qualidade musical e poética nas composições são características de uma artista madura profissionalmente.

Tornou-se conhecida através de suas canções, sucessos nas vozes de Ney Matogrosso (Ney registrou 11 canções de sua autoria), Zélia Duncan, Nana Caymmi, Joyce, Banda Cheiro de Amor, Tetê Espindola, Daúde, Alzira E., Rolando Boldrin, Vânia Bastos, Fred Martins, Olívia Byington, Verônica Sabino, As Frenéticas, Luhli, entre outros, além das gravações realizadas pela dupla Luli e Lucina da qual fez parte por 25 anos, numa carreira de prestígio internacional.

Seu ultimo CD “A MUSICA EM MIM”, produzido por sua parceira Zélia Duncan através de seu selo Duncan Discos e com a direção musical e arranjos da maestrina Bia Paes Leme é sucesso de crítica e público em todo o Brasil e gerou um DVD gravado pelo Canal Brasil de televisão (globosat) com as luxuosas participações de Zélia Duncan, Joyce e Ney Matogrosso.

Seu novo CD está em fase final de gravação e será lançado ainda este ano, trazendo todas as composições em parceria com Zélia Duncan.

Michel Legrand, Festa da Música, 21/jun

junho 23, 2009

Vou atropelar os shows anteriores que ainda não postei, pra comentar esse de ontem. Tentarei atualizar tudo até o final dessa semana! Paciência comigo, please!!! 😉
Michel Legrand

Ontem fui assistir o maestro Michel Legrand, que tocou com a Camerata SESC, na Torre de TV. O evento faz parte das comemorações do ano da França no Brasil. Foi ele quem criou a trilha de “Les miserables”, que é simplesmente linda, assim como lindo é o musical que, claro, eu adoro! Além dessa, criou muitas outras como Lola, Prêt-à-porter, Duas garotas, Os guarda-chuvas do amor e Verão de 42, Yentl…
O espetáculo foi fantástico, agradabilíssimo e o maestro esbanjou simpatia, sorrindo, cantando, tocando e conversando bastante com o público. Deu uma sutil “puxada de orelha” em um casal que chegou atrasado e passou pela frente do palco. Só pra esclarecer, na frente do palco tinha uma pequena área cercada, com cadeiras para convidados VIP. Enquanto o casal retardatário passava, ele disse com muita simpatia “vocês chegaram atrasados, mas estou feliz que pelo menos vocês vieram!”. Para bons entendedores, não se tratou apenas de uma piada…
A verdade é que o brasileiro não está muito acostumado com esses concertos de alto nível ao ar livre. Infelizmente, não temos cultura… isso é triste, mas acredito que a única forma de ir mudando essa realidade é oferecendo cada vez mais shows de qualidade. A música voltando pras salas de aula também é outro ponto que contribui pra criação da cultura na nossa sociedade. Alguém na platéia deve ter se confundido, achando que estava num show de rock, e deu uns gritinhos (uhuu!) no meio da execução, numa demonstração pura de falta de cultura. Certamente não teve ninguém pra explicar pra essa criatura que não deve se comportar dessa forma… De repente fez nas “melhores das intenções”… As pessoas não sabem aplaudir! Não sabem quando… Isso é triste e mais uma vez: é falta de cultura. Aplaudem antes da música terminar, no meio da música… E ainda acham que isso é ser caloroso…
Na minha opinião, são dois aspectos: a falta de educação e a falta de cultura.
A falta de cultura seria nos casos como esse, de não saber onde aplaudir, os gritinhos (uhuu!) fora de hora, o chegar atrasado…
A falta de educação é, por exemplo, um carinha da produção se debruçar no alambrado e ficar batendo papo com o amigo em alto e bom tom durante o espetáculo, atrapalhando os que estão ao redor… a falta de educação é um grupo de senhoras na faixa dos 65/70 anos, batendo papo aos gritos, igualmente atrapalhando os que estavam se deliciando com a música…
Pôxa, o carinha da produção poderia ter cumprimentado o amigo e deixado pra bater papo depois que terminasse, não? E as senhoras? Por que não ficaram em casa ou foram pra uma casa de chá, já que era pra contar “causos”?
Já tem um tempo que perdi algumas papas na língua e procuro me expressar pra essas pessoas, da forma mais educada que consigo, mostrando que estão atrapalhando, já que são incapazes de perceber sozinhas. Acho que se ninguém falar nada, todo mundo continua achando que está tudo bem e que não é desrespeito conversar em pleno concerto de uma das lendas da música francesa, atrapalhando uma oportunidade ímpar pra maioria das pessoas de assistir um concerto dessa grandeza.
Outro ponto que estou com vontade de falar é sobre o “Festa da Música”. Acho que já falei aqui sobre a “Fête de la musique”. Se não foi aqui, foi no blog de viagens. Segundo o presidente do SESC-DF, há uma parceria entre a Embaixada da França e o SESC-DF, para a promoção da “Festa da Música” desde 2004, mas com adaptações à arquitetura e urbanismo de Brasília. Ele fala de grandes shows promovidos ao ar livre e tal. GRANDES shows…
Em 2006 estive na França, pra formatura do meu irmão na Universidade de Sorbone. Para minha felicidade, cheguei no dia da “Fête de la musique”. “Fête de la musique” tem um duplo sentindo em francês, que tanto pode ser entendido como a “festa da música” como “faça a música”. É um evento incrível, bárbaro, inacreditável! A partir das 18h, o governo libera as catracas do metrô, permitindo acesso livre a todos os lugares para todas as pessoas. TODOS os músicos vão às ruas. Milhares! Todos levam seus instrumentos, os amplificadores e se instalam nas ruas. É isso mesmo! Nas ruas! Andando, pelas ruas, é música pra tudo quanto é lado. De uma esquina à outra, são pelo menos 3 bandas tocando. Não se trata de grandes shows, nem grandes cachês… É uma festa popular, onde todo mundo pode tocar. A cidade vira música. Imagina: Paris, a cidade luz também vira a cidade som! É muito nítida a alegria e a paz no astral das pessoas. A harmonia reina. Harmonia em todas as conotações! Fazem isso pra comemorar o início do verão, se não me engano, 21/junho.
Nota 10 pela iniciativa de importar pra Brasília um evento tão magnífico como esse! Logicamente temos uma arquitetura complexa pra várias coisas, mas eu acho que é possível tornar esse evento mais popular. Tudo bem que não temos esquinas e isso dificulta, pois as pessoas não circulam como lá. Na verdade em Brasília, as pessoas não circulam como em nenhum lugar do mundo… talvez como em Cutna Hora, na República Tcheca, onde tem uns blocos funcionais comunistas iguais aos do nosso Cruzeiro… Mas mesmo que seja feito na esplanada, na Torre de TV… poderiam disponibilizar pontos pro artista que quiser se apresentar, talvez colocar outras estruturas, atrações, mas não se limitar apenas a grandes shows, grandes nomes, grandes cachês. Fico imaginando se não funcionaria aquela praça enorme, do memorial JK até a rodoviária ou quem sabe, até o Congresso, cheio de gente andando, tocando, curtindo num entardecer e noite livres. Claro que precisaria de infra-estrutura, segurança e tudo mais… mas seria lindo e agradabilíssimo!
Tomara que a nossa “Festa da música” se aproxime cada vez mais da “Fête de la Musique” e que possamos ter momentos tão agradáveis e intensos como foi ouvir Michel Legrand, acompanhado também da harpista Catherine Michel e da cantora brasileira Patty Ascher. Mas repito: pode ser muito, mas muito mais popular e com muitos e muitos artistas locais, nacionais e internacionais se apresentando! Mais arte! Mais cidadania! Eu quero! 🙂

Calma!

junho 20, 2009

To atrasada com as fotos, eu sei!
Probleminhas com o comutador…
Tem o Rola Pedra, a Lucina, a Marisa…
Mas eu chegarei lá! Aguardem! 😉

Cayê Milfont, Teu sonho não acabou, Teatro Adolfo Celi, 11,18 e 25/jun

maio 30, 2009

milfont

Rita Tavares, no Feitiço Mineiro, 17/jan

janeiro 16, 2009

Amanhã tem Rita Tavares e Jorge Macarrão no Feitiço. 🙂

Ricardo Nakamura e Pedro Vasconcellos, no Café Antiquário, 15/Dez

dezembro 15, 2008

Última apresentação do ano da dupla (piano e cavaquinho) acontece hoje, no Café Antiquário, no Pontão do Lago Sul, a partir das 21h.
Só músicas lindas – é a promessa! 🙂